10º PRINCÍPIO – COOPERAÇÃO – “Eu e o Outro”

“A essência da família repousa na “cooperação”, não só na convivência”

O que é cooperação?  Cooperação é a união de pessoas em volta de um trabalho para o bem de todos”.

Vimos no mês 9 o Princípio Grupo de Apoio e desde o 1º Princípio Raízes Culturais, em janeiro, vemos que na proposta do Amor-Exigente os princípios se amarram uns aos outros como uma verdadeira corrente que vai nos tornando fortes e seguros, mantendo-nos unidos, coerentes e em marcha.

“É preciso viver a cooperação se queremos ensinar cooperação”.

Para nós do Amor-Exigente fica bem claro que não adianta conviver, estar sempre junto se não forem estabelecidos vínculos de apoio, de serviço, de troca. As partes devem dar e receber apoio e ao mesmo tempo questionar como estabelecer tais vínculos, se nós mesmo não nos prepararmos para ensinar esse modelo?

Depoimento de uma mãe: “Eu ficava emburrada, fazia as coisas com raiva, batia panela e porta. Achava que o marido e as filhas tinham que adivinhar que eu precisava de ajuda, era tão claro para mim, mas não pedia ajuda. Tudo mudou a partir do momento que eu mudei e comecei a pedir e a aceitar ajuda”.

Precisamos estar conscientes de que os vínculos criados de fato se estabelecem quando cooperarmos um com o outro.

Com a vivência no grupo de apoio sentimos que estamos em uma família. E para nós o Amor Exigente, realmente, é nossa grande família porque sentimos que podemos contar uns com os outros.

O Amor-Exigente nos ensina que o trabalho é o instrumento de união e de valorização de cada membro da família ou da comunidade. Os pais devem despertar nos filhos a responsabilidade por cada pessoa de seu grupo familiar e social.

Os filhos devem ter encargos em sua casa. Os filhos só terão direito de reivindicar alguma coisa, quando, com uma postura madura e séria, tornam-se membros cooperadores e organizadores do grupo familiar.

A cooperação facilita:

  • Aprendizagem: aprendemos fazendo, fazendo junto aprende-se alegremente
  • Diálogo: enquanto trabalhamos podemos conversar e assim a conversa fica fácil e natural. Ouvimos e somos ouvidos.
  • Percepção: ficando juntos, no esforço, conhecemos como realmente somos e podemos conhecer um pouco mais do outro, nos apreciarmos realmente.
  • Sentir-se útil: sentimo-nos úteis cooperando, precisamos dar a oportunidade ao outro estimulando-o a cooperar para que também passe a sentir-se útil, necessário, importante.
  • Participação: dar uma parte de nós faz-nos pertencidos e proprietários, assim será com o outro.
  • Troca de responsabilidade: ajuda-o a crescer por se tornar também responsável.

Para Refletir: Como Cooperar com o outro? O que fazer? O que deixar de fazer?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *