6º Princípio do Amor-Exigente – Comportamento

Comportamentos do Pais afeta os filhos

Chegamos na metade do ano, ou seja, é hora de revermos os principais pontos sobre o 6º Princípio Básico do Amor-Exigente. “O comportamento dos pais afeta os filhos. O comportamento dos filhos afeta os pais”.

O que forma nossos filhos não é o que dizemos, mas o que fazemos.

As palavras movem, os exemplos arrastam.

Conscientes disso, é evidente que não dá para viver a proposta do AE sem estar profundamente comprometido com a honestidade, a verdade e a transparência.

De acordo com a nossa literatura, nos grupos de Amor-Exigente o que mais destacamos é a necessidade de mudança de comportamento frente a conduta indesejada dos nossos filhos.

“A solução está justamente na primeira parte do princípio ‘O comportamento dos pais afeta os filhos’. É como uma lei da física: para cada ação existe uma reação. Precisamos estabelecer limites para a nossa própria vida, modificar maus hábitos e comportamentos; a contrapartida será a mudança da vida da família”.

Nesta 1ª semana, o enfoque é o “Eu”.

Então sugerimos que você se volte para si mesmo e reflita.

Como tem sido o meu comportamento? Quais os meus comportamentos inadequados que estão me prejudicando ou prejudicando minha família ou alguém próximo a mim?

– Se costuma gritar, fique calado;

– Se costuma ficar calado, fale;

– Se costuma envolver-se, fique indiferente;

– Se costuma ficar indiferente, envolva-se.

Se você reage sempre do mesmo modo, a pessoa que você quer ajudar saberá qual botão apertar para conseguir o que quer.

“NADA MUDA SE EU NÃO MUDAR”

Então, mãos à obra, “arregace as mangas”, faça uma lista desses comportamentos inadequados, estabeleça prioridades e inicie o processo de mudanças.

Mas lembre-se, a passos pequenos, nada de muita pressa, tijolinho por tijolinho. Comece pelos mais fáceis de serem mudados para depois os mais difíceis.

Reflita – “É possível mudar nossas vidas e a atitude daqueles que nos cercam simplesmente mudando a nós mesmos. Comece fazendo o necessário; depois, o que é possível, quando você se der conta, estará fazendo aquilo que julgava ser impossível de ser realizado”.

Funciona, dá certo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *