Palavra da Dona Mara: Amor e Respeito pelo outro

Estamos nos aproximando do fim do ano e, com ele, também do fim do ano letivo. Hoje vamos compartilhar com nossos seguidores da ASSAE (Associação São Sebastião de Amor-Exigente), um ponto importante da aplicação do 12º princípio para os jovens e adolescentes na escola: o amor e respeito pelo outro. “Cada escola achará seus próprios meios para ajudar seus jovens, oferecendo-lhes a chance de um novo começo, novos apoios para um estilo de vida positivo. É muito importante que haja, ao lado de um grupo de adultos, um grupo de jovens de AE na escola”, diz Dona Mara Silvia Carvalho de Menezes, cofundadora do Amor-Exigente e membro do conselho deliberativo da FEAE (Federação de Amor-Exigente), além de autora de diversos livros, entre eles “Amor-Exigente para Professores – Prevenção na Escola”.

Ela ainda explica que este grupo poderia ser formado apenas por jovens que estão sempre atrasados, que faltam, que levam bomba e que são difíceis de controlar, por exemplo. “Entretanto, também poderia ser um grupo aberto, para jovens que não estão com problemas, mas vêm acompanhar um amigo, ou se preparar para serem monitores, conselheiros, ou simplesmente para aprenderem a superar seus problemas de maneira mais construtiva, ou conseguirem apoio para si próprios”.

Seria bom se as crianças também viessem, fossem conhecidas no grupo e chegassem oficialmente encaminhadas por seus pais ou professores. “Os grupos de jovens do AE têm sido bem sucedidos e nos parece que o segredo é a força da empatia da linguagem, da idade, da forma de encarar o mundo, enfim, é a força da identificação”, diz Dona Mara. E a “identificação” é a mola motriz da recuperação.

Dona Mara orienta que para nós, pais e professores, o verdadeiro amor deve ser também capaz de vencer obstáculos e vencer algumas idealizações ou preconceitos. Aceitar seus alunos como eles são, no momento, abusados, violentados, usuários de drogas e fora de controle, segundo Dona Mara, é a verdade de agora. “Esta é a realidade à qual você deve reagir neste momento. Seus alunos não têm orgulho da escola deles e são desrespeitosos. Mas eles são pessoas de quem você possa se orgulhar neste momento”. “Quando você responde a esta realidade, não está mais protegendo seus alunos, não está mais compactuando com o comportamento inaceitável deles, nem focalizando um mito em vez de confrontar a realidade de cada um, agora”.

Para Refletir:
Eles também poderão escolher “permanecer na mesma”, mas a escolha pertence a eles e não é mantida por suas idealizações, nem você estará mantendo as ilusões de seus alunos a respeito deles mesmos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *